Influenciadores digitais podem fazer a diferença no combate às fake news sobre o coronavírus, afirma especialista

Temos visto devido à pandemia do novo coronavírus o rápido crescimento nao apenas do número de infectados mas também da disseminação de notícias falsas na internet sobre o covid-19, que colocam em risco a saúde da população ao informar inverdades sobre a prevenção, combate e até mesmo a respeito de dados da evolução da epidemia.

O Ministério da Saúde, a FIOCRUZ e diversos outros órgãos governamentais ligados à saude precisaram publicar em suas páginas oficiais notas desmentindo diversas informações falsas, dado o volume de fake news sobre o coronavírus circulante na internet. Contudo, o problema não se restringe apenas a falsificar notícias sobre o covid-19, mas atinge a diversos outros pontos importantes para a sociedade.

O especialista em redes sociais e digital influencer Pedro Marinho Neto revela que em meio a tanta desinformação, os influenciadores podem fazer a diferença para ajudar no combate às fake news propagadas na internet: “Normalmente, o objetivo de uma fake news é criar uma polêmica em torno de uma situação ou pessoa, contribuindo para denegrir a sua imagem. Por ter um teor extremamente dramático, apelativo e polêmico, as fake news costumam atrair muita atenção das massas, principalmente quando estas estão desprovidas de senso crítico. É ai que entra o papel do influenciador digital, na conscientização das pessoas, aproveitando seu papel de destaque nas redes sociais e o alcance de suas publicações e incentivando as pessoas a checar os fatos antes de compartilhar em grupos.”

Como identificar noticias falsas e combatê-las?

Para as autoridades, identificar e punir os autores de boatos na rede é uma tarefa muito difícil. No caso do Brasil, a legislação que prevê punição para esse tipo de crime não fala sobre internet, cita apenas rádio e televisão. Pedro Marinho fala da dificuldade para a maioria das pessoas de distinguir o que é fake do que é real, dado o nível de sofisticação de alguns falsários: “Alguns sites de fake news usam endereços e layouts parecidos com os de grandes portais de notícias, induzindo o internauta a pensar que são páginas de credibilidade. Por isso, todo cuidado é pouco na internet.”

No que diz respeito ao combate às fake news, o especialista é enfático: “A maneira mais efetiva de diminuir os impactos das fake news é cada cidadão fazer sua parte, compartilhando apenas aquilo que tem certeza de que é verdade. O ideal é duvidar sempre e procurar informações em outros veículos, especialmente nos conhecidos como grande mídia. No Brasil, existem agências especializadas em checar a veracidade de notícias suspeitas e de boatos, as chamadas fact-checking. Alguns grandes portais de notícias também criaram setores para checagem de informações.”

7 passos para a Responsabilidade social no combate às fake news

Pedro Marinho Neto enumera sete passos que são atitudes que devem ser tomadas como medida de responsabilidade social e para combater a disseminação de notícias falsas na internet:

1- Seja consciente. Notícias falsas se espalham porque as pessoas naturalmente querem compartilhar informações com suas redes sociais.

2- Antes de compartilhar um link, sempre reserve um tempo para revisá-lo – muitas vezes esse link será semelhante ao site real, mas com pequenas diferenças.

3- Veja se a pessoa que escreveu o artigo ou publicação realmente tem propriedade para falar daquilo ou até se a pessoa realmente existe.

4- Verifique se a notícia não possui tom alarmante. Normalmente, quem cria essas páginas quer que você realmente acesse e compartilhe, então serão utilizados termos de indução psicológica, com tom de urgência como “Atenção!” ou “Cuidado!”. Uma forma de atiçar a nossa curiosidade para clicar em links falsos é através de mensagens com tom de urgência, por exemplo: “Atenção! Político X é preso em São Paulo!”

5- Verifique a data da publicação. Nem todas as manchetes são necessariamente falsas. Algumas notícias do passado podem funcionar como fake news por descontextualizar um fato que aconteceu há anos e que pode já ter mudado.

6- Compartilhe com responsabilidade. Por mais que isso possa parecer um pouco chato, você é um influenciador dentro de sua própria rede social. Isso não significa que você não vai mais poder compartilhar as coisas, calma!

7- Eleve seu pensamento crítico um nível acima. Saia do lugar comum. Publique ou compartilhe histórias que você sabe que são verdadeiras, de fontes que você sabe que são responsáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *