Conteúdo comercial publicado por TV Seja e não é de responsabilidade do site.

Com Inspiração em Chorão, trapper LIM HAWK fala sobre a carreira e seus objetivos: “Faço música para reviver o que pode estar morto dentro das pessoas”

Com letras de mensagens fortes e uma alma “rebelde”, artista conta as influências musicais e revela projetos futuros

Derivado do rap, o trap vem se popularizando cada vez mais no Brasil. Com batidas graves e efeitos que distorcem a voz em uma rima que muitas das vezes passam situações do dia a dia do artista. O estilo surgiu em Atlanta, nos Estados Unidos, e chegou ao Brasil no início da década de 2010 na cidade de Guarulhos, em São Paulo.

Após sua chegada, o estilo do rap foi se desenvolvendo e criando raízes no país, principalmente a partir de 2016, onde foi mostrando diversos novos talentos, como Xamã, Matuê, Sidoka, Djonga, etc. E um deles é o cantor LIM HAWK, que começou na música com apenas 4 anos de idade. Depois de aprender a tocar bateria na igreja, sua mãe o ensinou a tocar violão e a vontade de se desenvolver como artista só foi crescendo. Ao ouvir as músicas de Charlie Brown Jr, a inspiração para começar a compor suas canções nasceu dentro de si.

Conheça o trabalho de LIM HAWK: https://www.instagram.com/limhawk/

“Foi ouvindo Charlie Brown Jr que nasceu o desejo ardente de fazer som autoral. As letras da banda faziam eu pensar: ‘eu posso fazer algo de criação minha, eu consigo’. Aí então comecei a fazer minhas primeiras letras ainda na igreja”.

Os 18 a 20 anos de idade foram transformadores na vida do artista e moldaram toda a forma de expressar a sua arte. Seguindo o seu caminho longe de uma vocação ou de uma doutrina religiosa, LIW HAWK decidiu seguir o que o seu espírito e intuição mandavam: “Sempre gostei mais da vibe ‘proibidão’; de poder fazer algo que eu pudesse gritar minhas revoltas e as coisas que odeio na sociedade e na política desse país. Como sempre curti a ideia de fazer o ‘errado’, comecei a fazer poesia e participar de competições”, revelou.

Resolveu lançar um CD com banda e outros trabalhos em uma pegada MPB, mas ele ainda sentia falta de algo diferente. “Faltava uma certa agressividade na minha arte, então foi aí que comecei a fazer rap/trap. Era a pimenta que faltava! Cantar minha poesia de forma agressiva foi descobrindo a partir daí”.

E foi trabalhando numa linha do trap que LIM HAWK começou a produzir e estruturar toda a sua carreira artística. Após se inscrever nos primeiros festivais, ele venceu o Minas Music Festival, que é um grande concurso em Minas Gerais que premia diversos novos artistas do cenário da música brasileira.

Depois disso, o produtor, cantor e compositor viu sua carreira começar a decolar. Participando de diversos eventos e programas, como do “Raul Gil”, do SBT, o trapper resolveu lançar a canção “Baby”, em 2020. Vendo a repercussão do seu trabalho, ele compôs outras músicas, como “Visionário”, que foi lançada neste ano.

“A música ‘Visionário’ foi uma introdução para tudo que está vindo esse ano, expondo parte das minhas visões e vivência de rua. Citando alguns versos na linguagem “mais favela” é que a galera pega a visão. Essa letra surgiu a partir de um Beat de trap do Japz”, revelou.

Com estilo rebelde e uma vontade de viver de forma cada vez mais intensa, LIM HAWK se inspira em artistas como Cazuza, Renato Russo e Chorão. Na letra, o artista tenta trazer a alegria e também fazer com que uma mensagem de sonhos e de transformações. “Sua arte tem que causar sensações, emoções a nós ouvintes. A arte não pode voltar vazia; tem que ter um foco. Quero que as pessoas ouçam meu som e se sintam vivas. Quero alimentar a fé de quem ouve, plantar sonhos e o principal: transformar através do que eu faço”, contou o trapper.

Para muitos, o processo de criação é muito difícil e algo extremamente trabalhoso. Passar uma visão de mundo e ideias que podem ser absorvidas pelo público é a prova viva de que a arte é transformadora.

“É algo que gera fruto. Arte sem causa não vive. A consequência vai vindo com tempo: sucesso, dinheiro e fama são consequência. Mas a causa é primordial. Faço música pra fazer viver e reviver o que às vezes pode estar morto dentro do público que me ouve. Focando na missão e carregando a certeza que tudo plantado gera colheita, não tem espaço para desistência na minha mente”, reforçou.

Com diversos lançamentos ainda para este ano, o cantor revela que as músicas já estão prontas, mas que em breve irá divulgar as datas dos lançamentos. Além disso, ele fala que a ideia é abrir a agenda de shows e colocar os seus novos singles na estrada. Tendo mais de 13 mil seguidores de seguidores e diversos fãs em outras plataformas, o público está aumentando cada vez mais e acompanhando o trabalho de LIM HAWK.

“Costumo dizer que a arte acontece. A letra vem quando você menos espera;  pelo menos as melhores são assim. Eu coloco o beat para tocar e começo a curtir. Daí começam a surgir ideias, junto com coisas que já havia registrando e tudo acontece! Na virada de ano penso em iniciar um EP, mas aí é algo diferente também. Em breve divulgo como será a logística”, finalizou.

Canal no YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCjKMA0fKkYiWmEfgnfIJ83A

Spotify: https://open.spotify.com/artist/7tRMqfb8F99vYiLFHb3VWW

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Conteúdo patrocinado

Essa publicação é de responsabilidade do autor  não sendo de responsabilidade do portal.